Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 982
Menu

Campanha Salarial IPT

  • Este é o primeiro ano em que a data-base da campanha salarial dos trabalhadores do IPT
  • 01 de junho está ameaçada A direção do IPT diz não poder negociar nossa Pauta de Reivindicações, nem legitimar a Comissão dos Trabalhadores eleita
  • em Assembléia da categoria, nem a manutenção da data-base pois considera que o SinTPq não tem, em sua base territorial, o município de São Paulo (ver Box abaixo).

    Não vamos aqui discutir legalismos e/ou formalidades jurídicas, até porque o SinTPq já se manifestou, oficialmente, em diferentes oportunidades, contrapondo todos os argumentos apresentados pela direção do IPT.

    É fato, como já informado aos profissionais do Instituto, que existe uma pendência a ser resolvida, que depende de um ato administrativo, no processo em andamento no órgão competente que é o Ministério do Trabalho e Emprego, desde o dia 16 de março de 2007.

    O Sindicato tem encaminhado todas as ações legais, administrativas e políticas, mas como sabemos, isso demanda tempo pois os órgãos de decisão são burocráticos.

    No entanto, o SinTPq continua legítimo! Independente disso, é preciso tratar, com a brevidade necessária, do conjunto de solicitações dos trabalhadores do IPT, expresso na pauta de reivindicações da categoria e que têm a ver com a recomposição de salários, a manutenção e melhoria dos benefícios, a aplicação de um plano de carreiras aderente a um plano de salários e a realização de concursos públicos para recomposição do quadro funcional.

    Em resumo, respeitar e reconhecer a necessidade de manutenção da excelência dos quadros profissionais da Instituição, característica enaltecida por todas as Diretorias que conduziram o Instituto e que permitirá que o IPT possa comemorar mais 110 anos de vida.

    Entenda o que está acontencendo...

  • Em 26 de março de 2009, o SinTPq convoca Assembléia para Deliberação da Pauta de Reivindicações e Eleição da Comissão de Representantes dos Trabalhadores para negociação com a Direção do IPT;
  • Em 31 de março de 2009, o SinTPq protocola, nas instâncias competentes, a Pauta de Reivindicações, arelação de nomes da Comissão de Representantes dos Trabalhadores e a solicitação da Manutenção da Data Base;
  • Em 14 de maio de 2009, a Direção do IPT informa ao SinTPq da impossibilidade de aceitar os protocolos e abrir negociação com o Sindicato;
  • Em 02 de junho de 2009, o SinTPq protocola resposta ao IPT argumentando sobre o andamento do processo de regularização do Sindicato junto ao Ministério do Trabalho e Emprego;
  • Em 17 de junho de 2009, a Comissão de Representantes dos Trabalhadores, eleita em Assembléia pelosfuncionários, é chamada para uma primeira conversa com a Comissão de Negociação instituída pela direção doIPT.
  • Na reunião, o IPT explicita que consultaria o Codec e a CPS (Comissão de Política Salarial do GESP), sobreabrir negociação com uma Comissão de Representantes dos Trabalhadores, sem vínculo formal com o Sindicato.

    Isso significaria que a Comissão dos Representantes, ali presente, deveria encaminhar a Pauta de Reivindicaçõesaprovada, excluindo as cláusulas que fazem menção ao Sindicato, bem como retirando dos documentos o timbre do SinTPq;

  • Em 22 de junho de 2009, em uma segunda conversa entre as Comissões, foi apresentado, pelo IPT, parecer daPGE (Procuradoria Geral do Estado) não autorizando a abertura de negociação com a Comissão dosRepresentantes dos Trabalhadores eleita em Assembléia.
  • O IPT, entretanto, dispunha-se a negociar com a Comissão em que pese a orientação das instâncias de governo.

    Por Pedro Ribeiro Nogueira

    voltar ao topo