Menu

Ameaçados de extinção, orelhões podem ganhar novas funções

Com o imenso volume de vendas de aparelhos celulares para o mercado consumidor, o telefone público vem caindo em desuso nas grandes cidades. Conhecidos pela alcunha de “orelhões”, esses aparelhos estão gradativamente diminuindo em quantidade. Estatísticas de institutos especializados apontando a redução de 120 unidades por dia em todo país.

Apesar da diminuição, as empresas de telefonia ainda são obrigadas a manter os aparelhos devido ao caráter social presente em suas concessões. A saída tem sido achar novas formas de colocá-lo à disposição da população. Uma delas, lentamente aceita pela Anatel, propõe que os “orelhões” deixem de oferecer o serviço via telefonia fixa e sim pela telefonia celular. Isso possibilita que as companhias fabriquem estes equipamentos com chips 2G ou 3G e assim instalem em pequenos municípios remotos. Nestas áreas é imprevisível a chegada de telefone por fios e cabos, devido a isso o telefone público por chip móvel atenderia as expectativas da comunidade, conectando-a com o resto do país.

Com esse projeto, o “orelhão-celular” pode passar a também ser um ponto de Wi Fi para esta localidade e aumentar o seu grau de utilidade. Levando assim a internet para locais ainda inacessíveis.

As empresas de telefonia preferem rumar por esta solução, barateando assim os custos de execução das contrapartidas combinadas. Tudo depende agora de regulamentação adequada.

voltar ao topo