Menu

Greve dos petroleiros está suspensa após assembleias e abertura de negociação

Petroleiros realizaram ato em frente ao Edifício Sede da Petrobras (Edise), no centro do Rio de Janeiro Petroleiros realizaram ato em frente ao Edifício Sede da Petrobras (Edise), no centro do Rio de Janeiro

Assembleias nas bases decidiram nesta quinta-feira (20) suspender a greve dos petroleiros em todo o país, no que seria o 20º dia de paralisação. O movimento foi iniciado após anúncio de demissões em massa na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) – também entrou na pauta o sucateamento da instituição. As negociações avançaram após o crescimento da paralisação pelo país e interferência de parlamentares, que procuraram a Justiça do trabalho.

O movimento não não se intimidou com decisões monocráticas do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e do Supremo Tribunal Federal (STF) – consideradas abusivas por violar o direito de greve e configurar prática antissindical. A empresa foi, entretanto, orientada por decisão do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná a suspender as demissões na Fafen e restabelecer o diálogo com os petroleiros. Foi o caminho para o fim do movimento. Uma rodada de negociações está prevista para esta sexta (21), em Brasília, com mediação do próprio TST.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP), formada por 13 sindicatos filiados, orientou pela suspensão da greve até segunda ordem, com objetivo de apontar para um gesto de construção do diálogo. Os dirigentes da FUP Deyvid Bacelar, Ademir Jacinto (Mãozinha), Tadeu Porto e Cibele Vieira – que ocupavam um ambiente no edifício-sede da Petrobras no Rio de Janeiro – deixaram o local. Emocionada, Cibele disse que considera o movimento vitorioso. “Ficamos 20 dias na sede da empresa. Eles sabem que hoje o controle está mais com a gente do que com eles.” Os ativistas, que chegaram a ficar sem energia, água e alimentos, foram recebidos com festa no centro da capital fluminense.

“Ficou bem clara a denúncia. Essa gestão e esse governo Bolsonaro tentam colocar que tudo se resolve por eles. Querem propor acordos individuais, tentam esvaziar o sentimento de coletividade. A essência do movimento sindical é a coletividade, a empatia e a solidariedade. Isso eles não têm e não respeitam. Não entendem”, completou Cibele.

por Redação Rede Brasil Atual

voltar ao topo