IPT: Sindicato e trabalhadores discutem demissões e atual conjuntura

15/03/2016

O SINTPq se reuniu na manhã de ontem, dia 14, com funcionários e representantes do CRE (Conselho de Representantes dos Empregados) para discutir as demissões da última semana e o delicado momento vivido pela instituição.

Durante o debate, ficou evidente o descontentamento de todos com as atitudes da atual gestão. Em seus posicionamentos, os trabalhadores manifestaram não ter mais confiança na diretoria. Tal sensação tem gerado dúvidas a respeito das capacidades e condições da direção para seguir a frente do instituto.

As demissões da semana anterior também foram discutidas, sendo consenso que as mesmas foram feitas sem os adequados critérios. Para funcionários, sindicato e CRE, o resultado dessa atitude imediatista foi o desligamento de profissionais bem avaliados e também de funcionários com doenças graves e crônicas, o que demonstra total falta de sensibilidade por parte das chefias e da diretoria.

Outro ponto abordado pelos presentes foi a necessidade do governo estadual assumir de imediato toda a folha salarial do IPT. Dessa forma, a instituição teria melhores condições financeiras para seguir sua missão, atuando como braço tecnológico do GESP nas demandas de políticas públicas e inovações privadas. Além disso, os trabalhadores poderiam trabalhar com mais tranquilidade, desenvolvendo seus projetos sem o fantasma das demissões.

Com as contribuições obtidas na reunião, sindicato e CRE continuarão atuando interna e externamente, dialogando com o legislativo e executivo estadual na busca de soluções para as atuais dificuldades enfrentadas pelo IPT. Ambas as entidades solicitaram na última semana uma reunião com Márcio França, secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo, e seguem aguardando resposta.

No próximo dia 29, será realizada a primeira assembleia da Campanha Salarial 2016/2017 e o momento atravessado pela instituição será incluída na pauta. O objetivo é ouvir as opiniões dos trabalhadores e formular propostas para que o instituto possa superar suas dificuldades. Por isso, a participação de todos os funcionários é fundamental. Participe e venha defender seu emprego, seu direito, venha defender o nosso IPT!