SINTPq questiona demissões no CPqD

09/05/2013

>

Sindicato cobra justificativa para 98 desligamentos que ocorreram de janeiro a início de maio deste ano. No montante, 51 demissões partiram da empresa e 48 foram solicitadas pelos trabalhadores. E também luta para ampliar os benefícios da categoria.

 

Em conversa entre o SINTPq e o Recursos Humanos (RH) do CPqD foi apresentado balanço das demissões e admissões no CPqD desde 01/01/2013 até 06/05/2013. 

Neste levantamento o CPqD mostra que aconteceram 99 desligamentos, sendo 48 pedidos de demissão e 51 destituições por iniciativa da empresa. Ocorreram apenas 48 contratações, o que demonstra que o CPqD tem 51 trabalhadores a menos que no fim do ano passado. As informações foram passadas diretamente pelo RH  da empresa, nesta quarta-feira, 08/05.

O SINTPq questionou o RH sobre as supostas informações de que poderiam acontecer demissões em massa no CPqD e aproveitou para alertar sobre o clima de medo e insegurança gerado nos trabalhadores.

A justificativa da empresa é de esse processo está ocorrendo devido a reestruturação provocada pela unificação de três diretorias e, que as 48 contratações ocorridas neste ano são reflexos de que o CPqD não enfrenta crise financeira e que há setores "bombando".

O sindicato questionou que as demissões dos trabalhadores mais experientes representam a perda de capacitação e conhecimento tecnológico para o Centro e que será necessário explicar à comunidade o que está acontecendo, principalmente para acabar com o clima de insegurança instalado na instituição. Uma vez que tal ambiente de trabalho provoca desmotivação com reflexo direto no bom desenvolvimento das atividades em andamento.

Em 2012 o CPqD teve superávit em suas contas e nada justifica as demissões que estão ocorrendo, pois as pessoas poderiam ser realocadas para outras atividades. 

Causa estranheza que um Centro de Pesquisa abra mão da capacitação dos seus profissionais mais experientes, que ao longo de tantos anos muito contribuíram para o atual estágio da empresa. 

O CPqD informou em conversa anterior com o SINTPq que no balanço global do quadro de funcionários de 2012 para cada funcionário desligado dois foram contratados. Pelo visto, em 2013 essa ordem se inverteu.

Para o presidente do SINTPq, Régis Norberto, "o processo de demissão nunca é fácil e o CPqD deveria atuar para elucidar a situação e dissipar o clima ruim instalado".

[imagefield_assist|fid=3179|preset=ifa_200|lightbox=true|title=|desc=|link=none|align=center|width=200|height=137]

 

SINTPq luta para ampliar os benefícios dos trabalhadores

O CPqD finalizará os estudos sobre o transporte para as cidades da região e o benefício Garantemed. Ele também apresentará, ainda neste mês, sua proposta para melhorar esses auxílios.

A apresentação faz parte do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2012/2013 firmando entre o SINTPq e CPqD que foi aprovado em assembleia, no final do ano passado.

O sindicato espera e cobrará avanços nesses itens, pois os estudos até agora apresentados mostram que é possível atender as reivindicações apontadas durante nossa Campanha Salarial.

Assim que a proposta for oficializada ao SINTPq faremos a apresentação aos trabalhadores, que decidirão democraticamente qual caminho seguir.

 

Boatos causam confusão nos trabalhadores

[imagefield_assist|fid=3182|preset=ifa_200|lightbox=true|title=|desc=|link=none|align=left|width=200|height=184]Causou surpresa ao SINTPq os boatos a respeito da possível “submissão” ou “falta de proatividade” da atual diretoria do sindicato frente aos problemas de demissões que estão acontecendo no CPqD.

A proposta da atual gestão do SINTPq foi a de resgatar junto ao CPqD um processo de diálogo franco na tentativa de beneficiar o maior patrimônio do Centro, que são seus trabalhadores, além de recuperar, junto aos funcionários, uma reaproximação mais efetiva.

Fofocas de corredor certamente não agregam e só tendem a aumentar o clima ruim que existe hoje. A responsabilidade pelo encaminhamento das demandas é do SINTPq, mas a luta para assegurar o emprego deve ser conjunta, pois a organização da categoria é que garante avanços.

Continuaremos orientando e defendendo os interesses coletivos e individuais dos trabalhadores do CPqD e de todos os trabalhadores das empresas de nossa base, é nosso papel, é nossa obrigação!

A existência do SINTPq depende da categoria e esperamos dela maior empatia com o Sindicato.