Trabalhadores aprovam em Nova York o primeiro sindicato da Amazon nos EUA

Em feito inédito, funcionário e ex-funcionários criaram Amazon Labor Union (ALU), com adesão de mais de 2 mil votos

04/04/2022

Presidente da ALU, Chris Smalls, comemora a vitória com os demais trabalhadores e trabalhadoras da Amazon (FOTO: @amazonlabor)

Na sexta-feira, 1º de abril, trabalhadores da Amazon foram vistos abraçados e comemorando aos gritos de “ALU!”, em frente a um deposito da multinacional em Staten Island, Nova York, Estado Unidos. O grupo tinha acabado de conquistar o primeiro sindicato da Amazon nos EUA: o Amazon Labor Union (ALU).

A vitória foi resultado de um ano lutando contra a violência sindical por parte da Amazon e o esforço para conquistar apoio de trabalhadores. Ao final da sexta-feira, os organizadores sindicais venceram a eleição sindical  com 2.654 a 2.131 votos, de acordo com uma contagem da agência federal de relações trabalhistas. 67 cédulas permanecem contestadas.

A articulação é formada por atuais ou ex-trabalhadores da multinacional. O Sindicato dos Trabalhadores da Amazônia, auto-descrito como uma “corporação independente e democrática”, não faz parte formalmente de nenhum sindicato estabelecido. No entanto, estas associações forneceram à ALU um apoio significativo na forma de escritórios, advogados e consultores.

Os esforços de organização foram descritos como “não ortodoxos”: liderança sindical jovem, negra, latina e da classe trabalhadora que representa muito melhor a demografia dos trabalhadores reais da Amazon do que o ex-CEO e presidente executivo Jeff Bezos, uma das pessoas mais ricas no mundo.

Em 2020, executivos da Amazon, incluindo Bezos, participaram de uma reunião na qual o conselheiro geral da Amazon, David Zapolsky, descreveu o organizador negro Chris Smalls, então recentemente demitido da empresa por encenar um protesto contra a falta de proteções covid da Amazon, como “não inteligente ou articulado” . Os executivos aparentemente acreditavam que a liderança de Smalls desacreditaria a organização dos trabalhadores, em benefício da Amazon. Em vez disso, Smalls liderou o esforço de organização bem-sucedido da ALU como seu presidente interino.

Em 2021, a Amazon gastou 4,2 milhões de dólares em consultores contra sindicatos, contratados para persuadir os trabalhadores a não se juntarem ao sindicato. A ALU esmagou os esforços de repressão sindical da Amazon com menos de 100.000 dólares, de acordo com Chris Smalls, solicitando doações de uma página do Gofundme.

A Amazon forçou os trabalhadores a reuniões de audiência cativa nas quais consultores contratados chamavam os organizadores da ALU de “bandidos”. Uma das demandas do sindicato é que a Amazon permita que os organizadores participem dessas reuniões para contar aos trabalhadores seu lado da história. Conforme descrito no site do sindicato, “quando o presidente da ALU, Chris Smalls, veio ao local para distribuir comida e responder a perguntas, o gerente geral Felipe Santos prendeu ele e dois de nossos colegas de trabalho pela polícia”.

A ALU possui uma lista abrangente de demandas da Amazon. Isso inclui um salário mínimo de US$ 30/hora para dar conta dos enormes custos de vida da cidade de Nova York, pensão, creche, transporte gratuito para o trabalho e um sistema de promoção justo e transparente. Uma demanda importante é que a Amazon “feche o [armazém] com pagamento durante eventos climáticos extremos”, demanda relevante considerando os seis trabalhadores da Amazon que morreram em um armazém em Illinois depois que a Amazon se recusou a encerrar as operações apesar dos avisos de tornado. 

O próximo passo depois de vencer esta eleição sindical é que os trabalhadores da Amazon lutem por seu primeiro contrato. Após a vitória dos trabalhadores, o presidente da ALU, Chris Smalls, disse: “Este é o catalisador da revolução”.

*Com informações da Peoples Dispatch

Notícia publicada no site do Brasil de Fato