Menu

Inflação e nova legislação dificultam negociações do segundo semestre

Se em 2017 grande parte das campanhas salariais com data-base em novembro conseguiu ganhos reais nos salários, neste ano, o cenário foi dificultado com a inflação mais alta e os primeiros impactos da reforma trabalhista. Enquanto o IPCA acumulado em novembro do ano passado era de 2,7%, o atual está em 4,56%. Além disso, sindicato e trabalhadores precisaram resistir as tentativas de retiradas de benefícios.

Com o fim de diversas garantias legais, muitas empresas estão buscando reduzir benefícios e impor retrocessos nas relações de trabalho por meio de mudanças nos acordos coletivos. Neste quadro adverso, em muitas campanhas salariais, a manutenção dos direitos já existentes tornou-se o foco principal da negociação.

Felizmente, o SINTPq e os trabalhadores têm conseguido resistir até aqui, recusando as contrapropostas ruins e organizando mobilizações, como a greve realizada na Amazul.

A expectativa para o próximo ano é enfrentar dificuldades ainda maiores. A afirmação de que o trabalhador deve escolher entre emprego ou direitos, feita pelo presidente eleito, e o fim do Ministério do Trabalho deixam claro qual será a postura do governo em relação às pautas trabalhistas. Mais do que nunca, a união da categoria e o trabalho conjunto com o sindicato serão fundamentais.

Luta coletiva traz resultados

Em março, os profissionais da Amazul paralisaram suas atividades por três dias, iniciando um processo de dissídio coletivo de greve. No Tribunal Regional do Trabalho (TRT), sindicato e trabalhadores foram vitoriosos, com o tribunal determinando reajuste de 10,24%.

A empresa iniciou um recurso para suspender a aplicação da sentença enquanto recorria no Tribunal Superior do Trabalho (TST). No dia 03/12, a justiça decidiu pela aceitação parcial do recurso, garantindo o pagamento de 2,08% retroativos a janeiro. O reajuste de 10,24% segue no TST e ainda será julgado. Essa vitória parcial é resultado da mobilização dos trabalhadores e do SINTPq. Sem a greve, não haveria qualquer reajuste ou chance de vitória, uma vez que a proposta apresentada pela Amazul na época foi de 0%.

voltar ao topo