CPqD ignora decisão dos trabalhadores e negociações pouco avançam

16/12/2016

Após quatro horas de reunião entre Sindicato e empresa na tarde de ontem, quase nenhum avanço foi obtido. A direção do CPqD novamente não atendeu as reivindicações dos trabalhadores e ofereceu apenas o acréscimo de estabilidade até 1º maio de 2017 em sua proposta anterior.

Apesar da estabilidade ser importante em meio a um cenário de crise econômica, a contraproposta da empresa segue muito aquém das reivindicações deliberadas pelos funcionários e mantém as perdas anteriormente apresentadas pelo Sindicato.

Durante as negociações na Gerência Regional do Trabalho, a direção do Centro fez uso do resultado da última assembleia, que rejeitou as condições oferecidas pela empresa por apenas nove votos, para pouco avançar em suas propostas. Os representantes do CPqD chegaram a afirmar de forma soberba que se a mesma contraproposta fosse apresentada novamente, seria aprovada em função de ausências ocorridas na última assembleia.

O SINTPq buscou encontrar alternativas durante todo o processo de negociação, sugerindo recomposição salarial e até o pagamento de abono aos trabalhadores de forma condicionada à chegada de receitas não programadas no orçamento da instituição. Tal alternativa seria uma forma de amenizar as perdas relativas aos retroativos devidos e não comprometeria as finanças da empresa, pois os valores não seriam oferecidos caso não houvesse a entrada de novos recursos. Apesar desse esforço por parte do Sindicato, a direção do CPqD rejeitou qualquer alternativa de compensação apresentada.

Em meio as tratativas, o auditor responsável pela mediação demonstrou preocupação com diversas condutas do CPqD e abordou os riscos que a empresa sofre por não ter antecipado nenhum percentual de reajuste desde 2015, uma vez que isso só aumenta o passivo da instituição.

Debate com trabalhadores
Ao término da reunião negocial, diretores do SINTPq e funcionários do CPqD se reuniram na sede do Sindicato para discutir os resultados das negociações e as possíveis alternativas para a campanha salarial. Foi consenso entre os presentes que as atuais atitudes da gestão do Centro prejudicam a instituição e comprometem seu futuro.

Em relação à deliberação da nova contraproposta, foi definido que a decisão deverá ser levada aos trabalhadores em assembleia na próxima semana.

Seguindo a avaliação do Sindicato e da maioria dos trabalhadores presentes, uma nova assembleia será realizada na quarta-feira (21), a partir das 8h, no auditório da empresa. O SINTPq espera que todos os empregados participem debatendo e decidindo conscientemente pela recusa ou aceitação da proposta da empresa.

O processo de negociação, as assembleias realizadas, a posição do Sindicato de não apoiar uma proposta que impõe perdas salariais e a pressão que a empresa está exercendo sobre cada funcionário através de seus gerentes tornam a votação ainda mais dramática e decisiva. Devido a esse cenário, a expectativa do SINTPq é que cada trabalhador vote de acordo com suas convicções, mas respeitando sempre a opinião dos colegas e a decisão da maioria.