ACT da Monsanto é encerrado com 10% de reajuste para salários até R$ 3 mil

20/12/2011

quase 80% de trabalhadores presentes na assembleia junto ao SinTPq, foi aprovado por unanimidade o acordo coletivo de trabalho 2011/2012 dos profissionais da Monsanto. O ACT prêve reajuste de 10% (reposição do pelo INPC mais aumento real) para os funcionários que ganham até R$ 3 mil, este é um dos principais resultados da Campanha Salarial 2011 na empresa. 

As outras faixas salariais também tiveram bons progressos: quem recebe de R$ 3 a 5 mil, terá 8,5% de reajuste e salários acima desse valor serão corrigidos pelo IPC do período. O acordo é retroativo a novembro, mês da data-base.

Os resultados da Campanha Salarial 2011 devem-se ao reforço que a atuação do Sindicato teve com participação das trabalhadoras Anelise e Ana nas negociações com a empresa. A experiência levada por elas da realidade dos funcionários foi decisiva. 

Este ano, os trabalhadores também podem comemorar a quebra do ‘paradigma’ do pagamento das horas extras.  A partir de agora, as HE realizadas aos sábados serão 50% pagas e 50% inseridas no banco de horas.

Também foi aprovado por unanimidade que o PLR (Plano de Participação nos Lucros e Resultados) não será pago para os funcionários que pedirem demissão, ao menos que tenham completado o ano de referência. Os que forem demitidos continuam com o benefício.

Vale alimentação

O vale alimentação foi o impasse da última assembleia. A recusa da Monsanto em aumentar seu valor de R$ 21 para R$ 25 levou a reprovação da proposta.  O aumento do VR nos anos anteriores foi aceito como compensação a falta de aumento real nos salários e permitir que seu valor fosse mantido este ano seria esvaziar a conquista. 

Porém a nova proposta de reajuste levou os profissionais a repensarem a posição e optarem por aprovar o ACT. Além disso, a empresa se comprometeu a conversar novamente sobre o aumento do VR em março sob a perspectiva de mercado.

 

Férias bipartidas

No início da negociação a Monsanto pretendia não permitir mais as férias bipartidas, porém no decorrer das reuniões mudou sua postura. No final, em uma demonstração de atenção com os anseios da categoria, além de aceitar a divisão das férias, ainda irá colocar no ACT e extender às outras unidades.

 

Taxa de fortalecimento

O número restrito de sindicalizados na Monsato levou o SinTPq a uma decisão histórica. Pela primeira vez levou para votação junto aos trabalhadores uma proposta de subsídio da empresa em relação à taxa de fortalecimento. A Monsanto se dispôs a pagar a Taxa de Fortalecimento para todos os trabalhadores que decidirem não colaborarem. Assim, logo que o ACT for assinado, todos aqueles que se negarem a contribuir terão suas taxas pagas pela empresa.

A proposta foi aceita pela grande maioria, com oito abstenções e quatro votos contrários.