CPqD: próximo passo é negociar com a direção

14/09/2012

ampanha Salarial 2012 do CPqD já tem pauta de reivindicação. O documento foi aprovado na assembleia desta semana e será a base para toda a negociação. O SINTPq já protocolou o pedido de reunião com a direção da entidade.

“Um dos debates que gerará calor nesse ano será o plano de carreira, percebemos que existe descrença sobre esse tema no CPqD. A falta de transparência incomoda os trabalhadores que não sabem como progredir na carreira, nem sequer a tabela de salários”, avalia Paulo Porsani, diretor do SINTPq. 

Entre as propostas que chegaram, houve as aprovadas e as reprovadas. Um exemplo de reivindicação antiga é sobre o transporte. O principal ponto da pauta é o aumento real e a reposição da inflação. A plenária optou por se juntar às outras empresas da base e pedir o aumento real acompanhando o aumento do PIB, que em 2011 foi de 2,7%. 

Reivindicações

Transporte: O fretado não atende aos que residem foram de Campinas e algumas localidades na própria cidade tem dificuldade – caso de Barão Geraldo. Os trabalhadores pedem que o transporte seja estendido para a região – Jundiaí é um dos municípios que tem trabalhadores suficientes para um ônibus – ou subsidiar o deslocamento.

Garantemed: Serve para reduzir o custo de medicamentos, mas os trabalhadores pedem: menos burocracia e mais medicamentos na lista. 

Sobreaviso: a cada 24 horas de sobreaviso, pagamento de oito horas extras.

Deslocamento fora da sede: Contar como hora de trabalho. 

Bipartir férias para maiores de cinquenta anos

Dias pontes: Trabalhar no meio do feriado é ruim para o funcionário e ruim para a empresa. Para o trabalhador, fica um período de descanso fracionado. Para a empresa, o custo benefício não é válido: o número de pessoas é reduzido, mas o gasto com a estrutura – transporte, energia, limpeza, segurança, refeitório – é o mesmo. 

Além desses itens de destaque, a pauta da última campanha será reapresentada. 

 

A assembleia rejeitou algumas propostas que chegaram por e-mail: 

  • Aumentar de 8 para 12% a contribuição do plano de previdência: 
  • Convênio com escolas de idiomas
  • Ampliação do atendimento com fonoaudióloga e psicóloga